Olfato

Posted in em destaque on julho 26, 2017 by felipert

Não ofereço nada bom
Só desatenção e embaraço
Minto que o meu laço
Vai amadurecer. Vem cá ver

Passei tanto tempo aqui.
Em tentativas e outras
Fui até lá na intenção, pode crer.

É injusto o que me pede
Diz que ama minha presença
Tanto que não consegue nem mede
Agrava mais a diferença

Teremos muito tempo pra pensar
Não queria ter de acionar
Essa alavanca
Bate comigo, arranca.

Vamos ver lá fora
Que esse seu pedido
Que me faz agora
É meio esquisito.

Não posso me enganar
E achar que vou ter
O seu avatar
Sem se esconder.

A metade não me interessa
Não quero raspa de um
Parei de fazer promessa
Não quero escorar em algum

Sei que é sério
Mas o meu critério
É tão altruista
Que nem a mais feminista
Preveria

Amo tanto seu tato
Não quero parecer ingrato
Mas pra gente ter contato
Sem reproduzir retrato
De um dia feliz e sensato
Prefiro esvaziar o prato
Que seja de imediato

Anúncios

Os vasos e os penares

Posted in em destaque on julho 20, 2017 by felipert

Tenho pensado em coisas que surpreendentemente não pensaria se não fosse recorrente a falta de energia. Mais intacto que quisesse, não deixaria menos impacto se desse. 

Eu sinto muito pela falta de certeza que existe. Sinto que só acompanhar vai acabar. E em riste,

o dedo virá com quebradores de silêncio. Tal qual Clarêncio, o otimista. Tal qual seu passo em minha vista. 

Menos da metade da história agora é pó. Não branco e dolorido. 

Sebo da verdade em sua dó. Arranco o pé do temido, na mão. Contra o que você mostrar, onde sem se conformar é fato. De quatro acaba.

Acabou. 

impares dos pares

Posted in em destaque on julho 17, 2017 by felipert

Tá frio. Tô com dor de estômago,
A dúvida inerente tem aspecto hostil
Falha corretamente em seu plano juvenil

Mesa com 2 lugares,
Os ímpares dos pares
Rejuvenescem a partir das maos

Impenetráveis sonhos,
A vazão do meu disfarce
Corre por cortes medonhos

Ahh, a incerteza desse dia
Procurando dicas pra preencher
Um prazo curto de energia

Soprou o grão pra dentro do olho
É com pesar que informo
Me sinto tão inferior que deterioro

A ponta do final

Posted in em destaque on julho 13, 2017 by felipert

Aí de mim,
Sem corda pra agarrar
Onde ‘vejo vigiar’
É de fim.

Sempre sim,
Meu negócio é divergir
Sem precisar dividir
Só assim.

Menos que outrora foi,
Desmascarou, foi tão mais forte
Então na sorte
Encostou o peito.

Já tava tudo feito.
Pensa na vontade de ficar

Para vai, não seja madura, não diga que a cura
É tempo.
Eu finjo coragem.

Eu colho frustração.
Tudo seu que é meu
Tem um saborzin de não.

Pode ser, quem me vê, diz bem
Que já foram mais de cem
Dias a fio desse pesar
Que não aparento amar.

Não é tempo, não sei ser o tempo.
Não continuo, nunca vou parar
Não me lembro, se é dezembro
Março ou dor que virá.

Corre lá fora,
Pega um par de ingresso
Chama quem te agrada
Não corrige a falha

Vive como quiser.
Só não peça que eu não queira
Intervir no afogar.

O motivo

Posted in em destaque on junho 22, 2017 by felipert

O motivo é rescrito por dia
Por me dar dores e agonia
Muito mais a sorrir de alegria
Me amar mais do que eu merecia.

Simples de mim
Corre por de trás
Sem visionar o fim
Calma que me traz.

Vejo a detentora do meu ciclo e quer
Ser melhor e ser minha mulher

Eu que penso penso e falho
Mas no fim só quero ser só
um baita lugar
pra você
repousar.

Interesse covarde

Posted in meu pior, jogado por aqui on janeiro 12, 2017 by felipert

Volta a questionar em tempo
Depois que corroeu com lágrima
Em prazo perdido da vindima
Há, desde que, for de tempo.

Passou bem diante do olho
Veio bem se achegando ali
Fez pergunta só pra te notar
Quando queria interferir

Interesse covarde, eletrizou
Corte na minha língua acovardou
Sou menor do que imaginei.
Sem tempo, sem.

cima pra baixo e volta

Posted in rapidas on setembro 12, 2016 by felipert

Pensando na nova decoração, entre um e outro eixo
numa mao e outra de alguma tinta absurda
um toque de para enquanto a tempo brando

Nova sensação da lingua respiração ou queixo
longinqua o bastante a memoria longe dessurda
dessurdou e ignorou, não passa olho observando

Menos tempo de intimidade desde quando
odeia quando lhe atribuem ‘qualidade surda’
eu ainda mais quando grita meu desleixo

Coroando mudança intenta suando
quando
penso no bem sensato destinado a voce