Arquivo para novembro, 2010

Deftones – Feiticeira

Posted in em destaque, rapidas on novembro 18, 2010 by felipert

The police stopped chasing
I’m her new cool meat
She pops the trunk
And she removes me
And a machine that takes
Pictures of us
And a machine that takes
Pictures of us
And a machine that takes
Pictures of us
And a machine that takes
Pictures of us

Now my jaw and my teeth hurt
I’m choking from gnawing on the ball
And just before I come to move to
The back of the car she makes me
Touch the machine
New murderer

Anúncios

bionico

Posted in em destaque, meu pior, jogado por aqui on novembro 18, 2010 by felipert

naosentemasdizquandodói

Eu que crio necessidades absolutamente incessantes enquanto sou parte do que há, venho absolvendo toda culpa de mim mesmo. Tudo parece tão maior, feroz, entusiasmante. É o fiasco da escolha que se tornou vão, só.
As horas que dediquei ao inusitado poderiam ser vistas com outros óculos, com força maior, com ardor ao menos. Quero fazer parte do que queira ser parte disso. E que não se foda por isso, se mantenha entretido nisso e que supere. Pois é.

Quem precisa ter o que ganhar aqui, sou eu. Você que ‘não há’, não precisa sequer “ouvir murmúrios escritos”.
Existem peças para o seu quebra-cabeça. Deixe que te achem.

Iceache

Posted in categoricamente, em destaque on novembro 15, 2010 by felipert

As coisas acontecem com imparcialidade. Outras com desejo, algumas com paixão. O que surpreende é quando um erro te leva de algoz do meu real a perfeição da minha existência. Sim, não sabem os tolos, mas vão passar por isso várias vezes durante a passagem.
Não é suficiente pra você imaginar que eu tentei fazer disso, um disso cheio de significados e cheio de importância. Cheio de vivas e com alguns pesares, penares, claro. Não é suficiente pra você saborear a contradição alheia e sorrir, como quem sente a lagrima voltar pro sistema lacrimal, não tendo tempo de fazer doer. Não foi suficiente pra ninguém, saber que o aflitivo mirabolante cérebro que condena esse mentor, é alguém que tenta fazer todas as coisas ao mesmo tempo, e que perde controle de todas as coisas ao mesmo tempo.
Eu continuo gritando em voz alta, a voz mais alta que possuo…

obrigado

Posted in em destaque on novembro 15, 2010 by felipert

obrigado

Deftones;

Posted in em destaque, rapidas on novembro 13, 2010 by felipert

Deftones – Crenshaw Punch/I’ll throw rocks at you

Remember that one time
I bit you on the arm
I was just afraid of
The solitude of being in love
I want to be in your house
Right now
Make you stand by the sink
I swear to keep away
I can show you things
Like fire and more
Remember that time
I kicked the TV over

For months
I’m sharing lungs
I cant talk to her
Cause she’ll throw rocks at me

I might never see you again
I hope we fix
And stay special plus
I ain’t trying to start a fight
But if only I could pull you in
For a moment I know this
That’s so sweet
Battle stations please guard us
To marry me me
Don’t lean on me
Cause I’ll fuck you till the morning
so stick

For months
I’m sharing lungs
I cant talk to her
Cause she’ll throw rocks at me

Spinning in her arms inside
And be listening to know
She knows when I look
My music
My lung is in the top drawer
By now I’ve got her inside of me
As long as we sleep right now
As long as we sleep right now

‘good night’

For months
I’m sharing lungs
I cant talk to her
Cause she’ll throw rocks at me
She’ll throw rocks at me

For months
I’m sharing lungs
I cant talk to her
Cause she’ll throw rocks at me

Todos pelo ego

Posted in em destaque, rapidas on novembro 5, 2010 by felipert

Hoje, você tem todo controle. Nas mãos suadas e calejadas, sua existência só se refere ao que você não corresponde nem interfere. Espere que algo lhe traga de volta e ficará pra sempre no limbo, roubarão teu nimbo Ó criatura insensata.
A guia é amarela, tortuosa, vem vestida em donzela e acaba com a famosa liberdade.
Te prendeu, te sorriu e se arrependeu, pois é.

Meu desespero, controlo com mais tempo perdido, vou a pé, até o sonho e volto correndo coberto em viconho do padecimento.

Venho logo, dizendo que talvez não volte a voltar.