Arquivo para junho, 2013

agora

Posted in em destaque on junho 30, 2013 by felipert

“Duas pessoas se beijando..”

em tempos de calmaria, haveria, sim, senfim dalegria, dum toqueaqui. Um somartelado, um olho meide lado, meuamorinfinito, minhascensão repentina, a certidão do melhor de nós
em tempos de agorafobia, medo é de que não possamos sairdelá e viver. Suasequelas meinfernais, mehumor meiopáco
melhor de mim éssim referente a você e ainda que não, seria o motivo. Do olhar taovivo.
Te desejo dias bons e quero mantê-la aquecida sob meus cuidados.

Se eu ainda não disse, deveria.
É o meu maior motivo
de acordar e por ter alegria

sempre que quiser
vou acolher definitivo
em meus braços você
minha mulher.

Anúncios

olhe pros dois lados antes de atravessar

Posted in em destaque, meu pior, jogado por aqui on junho 17, 2013 by felipert

crânio de animal em estrada

Existem diversos tipos de liberdade, a programada é a menos infeliz.
Digo isso na posição que estou. Rei absoluto dos sons, dono das curvas, magnânimo das estrelas.
Aqui, nesse calabouço, sigo vidas que darei a mercê do meu humor, numa insensatez digna de alguém vindo do seculo VINTE E UM, só pra mal vadear e cancerizar o mundo.

Pegarei incansáveis vezes sua lama, seu suor e darei aos seus filhos. Esses, farei beber sangue dos ratos que vivem na sua casa, moerei seus órgãos e servirei polvilhados sob a comida. A urina vai ajudá-los a engolir a carcaça ríspida e atordoante. Vou cortar suas vísceras pelas narinas sem antes servir água e uma noite agradabilíssima de sono.

Seus aliados serão alinhados um atrás do outro, com a boca costurada ao anus do parceiro da frente até que façamos um círculo. Numa duzia de golpes de machado em cada membro, deixarei com que sangrem muito e trarei soro aos poucos, reduzindo as chances de morrer.

Sua família será meu maior lapso. A mãe será escrava sexual dos meus animais. É preciso remover sua epiderme, a derme e queimarei com hastes de pontas revestidas com algodão sua hipoderme, das canelas até a virilha.
Seu pai terá a rola eletrocutada a cada 3min com um fio de descarga minima, só pra mantê-lo acordado. Darei tapas em seus ouvidos para descomprimi-los enquanto enfio um tubo de gás hélio pelo nariz. Com a pressão mais amena que houver. Nem imagino o mal que isso causa.

Você pode ser roteiro de um filme.
Pretendo te deixar dormir 10 minutos por hora, dando sedativos em doses baixas e choques fracos para acordá-lo. Remover a maçã do seu rosto e no lugar dela, costurar um focinho de algum animal qualquer.
Tirar pelo por pelo do seu corpo, com um esqueiro BIC. Sua sobrancelha, com as unhas.
Remover cirurgicamente seu braço e trocar pela perna. Talvez fazer uns buracos na sua nuca e colocar seus olhos lá. E os buracos que sobraram na frente usar como cinzeiro.
Injetar sangue de algum HIV positivo nas suas nádegas, com cuidado pra infectar a todos que tentem te ajudar.
Vender seu corpo por alguns minutos da satisfação sexual de algum anão virgem ou de algum diretor de filme pornôtrash.
Deixar um pedaço de esponja na sua garganta, com as suas mãos amarradas, pra que você consiga beber água pela esponja e que isso seja só o suficiente pra te manter de olhos abertos, ou talvez você consiga beber água respirando-a.
Colocar seu corpo, se é que ainda podemos chamá-lo assim, no chão ardente do agreste, com uma árvore fazendo sombra e um balde cheio de água e outro com gelo, logo ali, longe o bastante pra não conseguir chegar.
Te moer os dedos dos pés e refogar a carne, com bastante alho e sazon amarelinho.

Ainda quem sabe te deixar viver.