Arquivo para dezembro, 2017

…gets colder

Posted in em destaque on dezembro 25, 2017 by felipert

Acordo num tom tal sobrio
da de beber ao adicto
usa a poeira, o próprio
desde 2011 viu invicto
perder o chão moderadamente
assim que faltou um empenho
o terror gritou iminente
e por meio deste, venho

Expor meu maior pecado
minha invenção desfibrilou
quando ce correu de lado
maldizendo quem ficou
com a metade do mês
você poderia brilhar calada
sem ligar dor a escassez
ou continuar bem intencionada

pego de volta o que disse
leia e pense em voz de canto
quero que saia do automático
quando o assunto é apêndice
seja mais que entretanto
libere meu coletar problemático

seja se tocando no metrô
com algum outro pivô
em correntes altamente sexuais
perdure ou não os bons finais

porque comigo nao fez.

Anúncios

ler sem virgula

Posted in meu pior, jogado por aqui on dezembro 24, 2017 by felipert

Estive pensando que errar é erradicar. Chances de imaginar o que causaria, numa maioria, esmagadora, a protetora voz que indica melhora.
farei o certo por mim, mesmo que a sombra tome todos os cantos. Tanto dos mundos, some a lombra do mesmo sim, aperto o que direi.

Não há motivação que prossiga o pensamento de ter de ve-la se encostar. Mesmo que estivesse no efeito alcoolico ou querendo, continuo vendo em publico e meu ver ardendo.

Mate meu acinzentar, quero distinguir novamente quem trará definições “que de antemão, a desprezível, ignorou”.

E desde que voltou a ver o que há dentro, espantou com o momento de deixar partir, tentando não rir.

Vale mais manter o que te agrada num prato frio ou repensar sua coroa num outro bairro. Tire sarro o quanto quiser, ou pense que onde for, se vier, estarei com menos dor do que dividir esse paladar com saber que quer. Não inverta sua posição pra quem te brilha mais que velhos toques. Não troque. De o choque, nem sempre retoque, soque, tente explicar o que é aquele berloque e foque.

 

porque comigo não fez.

herside story

Posted in rapidas on dezembro 24, 2017 by felipert

Não sederei a egoísmo de pele que trocará de mãos
parte desse organismo, fere, você que ficará no vão
da incerteza do que não fiz compilar
tal qual fraqueza que quis inviabilizar

sabe que os olhos terão novas visões
eu que não me atrevo a evita-las
cabe fim que acolho, mão prova as razões
me deu chão o cevo (isca) das mazelas.

Evitarei com dedicação num corte
esvaia a corrente de todo vermelho
não interrompa o ato e boa sorte
mesmo que te doa alma ao olhar no espelho.

Gonna get you 

Posted in Uncategorized on dezembro 22, 2017 by felipert

Dedicar esse meu tempo novo

Suplicando o interminável

Envolto pescoço no estrovo

Antes da sua partida provavel

desisto

Posted in em destaque on dezembro 19, 2017 by felipert

Sem más companhias
não quero saber de sentir fraco
deixar na lixeira o saco
vazio, sem precisar da simpatia
de quem não intenta alegria

maleficências, das ignoradas antes
eu já deixei de alimentar sua boca
e meus assopros revoltantes
permeiam essa alma roca

pedi por menos que um parceiro
fui de cara ao veneno
esse maltrapilho e pequeno
que desassossegou por inteiro
meu, de antemão, altruísta
desesperado agouro
que agora arrebata meu couro

é a unha que arranca meu sono
desde menino quero ser mais gente
e minha imaginação potente
me fez deixar de ser dono
do abandono ou abono
de eu ser eu.

Assim mesmo 

Posted in Uncategorized on dezembro 6, 2017 by felipert

Ouch

A realidade bate num ponto

Nao da mais pra ajustar o pensamento

Sinto coisas intensas

Diferente se conto

Na minha mente é ressentimento

Mas a língua propensa pensa
Que é melhor engolir o golo

Ou refletir bem tolo

Na prática continuo o medo

Dramática paixão logo cedo
Mas não me sinto bem tendo razão

Te entreguei sorrindo? Também não.

Meu negócio é almoço diferente de você

Nesse ócio peço ao moço que releve

A rouquidão do grave mais leve

Sensação suave da corrida breve
Não faço ideia

Nem quero

Se é Andrea

Ou março.