herside story

Posted in rapidas on dezembro 24, 2017 by felipert

Não sederei a egoísmo de pele que trocará de mãos
parte desse organismo, fere, você que ficará no vão
da incerteza do que não fiz compilar
tal qual fraqueza que quis inviabilizar

sabe que os olhos terão novas visões
eu que não me atrevo a evita-las
cabe fim que acolho, mão prova as razões
me deu chão o cevo (isca) das mazelas.

Evitarei com dedicação num corte
esvaia a corrente de todo vermelho
não interrompa o ato e boa sorte
mesmo que te doa alma ao olhar no espelho.

Anúncios

Gonna get you 

Posted in Uncategorized on dezembro 22, 2017 by felipert

Dedicar esse meu tempo novo

Suplicando o interminável

Envolto pescoço no estrovo

Antes da sua partida provavel

desisto

Posted in em destaque on dezembro 19, 2017 by felipert

Sem más companhias
não quero saber de sentir fraco
deixar na lixeira o saco
vazio, sem precisar da simpatia
de quem não intenta alegria

maleficências, das ignoradas antes
eu já deixei de alimentar sua boca
e meus assopros revoltantes
permeiam essa alma roca

pedi por menos que um parceiro
fui de cara ao veneno
esse maltrapilho e pequeno
que desassossegou por inteiro
meu, de antemão, altruísta
desesperado agouro
que agora arrebata meu couro

é a unha que arranca meu sono
desde menino quero ser mais gente
e minha imaginação potente
me fez deixar de ser dono
do abandono ou abono
de eu ser eu.

Assim mesmo 

Posted in Uncategorized on dezembro 6, 2017 by felipert

Ouch

A realidade bate num ponto

Nao da mais pra ajustar o pensamento

Sinto coisas intensas

Diferente se conto

Na minha mente é ressentimento

Mas a língua propensa pensa
Que é melhor engolir o golo

Ou refletir bem tolo

Na prática continuo o medo

Dramática paixão logo cedo
Mas não me sinto bem tendo razão

Te entreguei sorrindo? Também não.

Meu negócio é almoço diferente de você

Nesse ócio peço ao moço que releve

A rouquidão do grave mais leve

Sensação suave da corrida breve
Não faço ideia

Nem quero

Se é Andrea

Ou março. 

Olfato

Posted in em destaque on julho 26, 2017 by felipert

Não ofereço nada bom
Só desatenção e embaraço
Minto que o meu laço
Vai amadurecer. Vem cá ver

Passei tanto tempo aqui.
Em tentativas e outras
Fui até lá na intenção, pode crer.

É injusto o que me pede
Diz que ama minha presença
Tanto que não consegue nem mede
Agrava mais a diferença

Teremos muito tempo pra pensar
Não queria ter de acionar
Essa alavanca
Bate comigo, arranca.

Vamos ver lá fora
Que esse seu pedido
Que me faz agora
É meio esquisito.

Não posso me enganar
E achar que vou ter
O seu avatar
Sem se esconder.

A metade não me interessa
Não quero raspa de um
Parei de fazer promessa
Não quero escorar em algum

Sei que é sério
Mas o meu critério
É tão altruista
Que nem a mais feminista
Preveria

Amo tanto seu tato
Não quero parecer ingrato
Mas pra gente ter contato
Sem reproduzir retrato
De um dia feliz e sensato
Prefiro esvaziar o prato
Que seja de imediato

Os vasos e os penares

Posted in em destaque on julho 20, 2017 by felipert

Tenho pensado em coisas que surpreendentemente não pensaria se não fosse recorrente a falta de energia. Mais intacto que quisesse, não deixaria menos impacto se desse. 

Eu sinto muito pela falta de certeza que existe. Sinto que só acompanhar vai acabar. E em riste,

o dedo virá com quebradores de silêncio. Tal qual Clarêncio, o otimista. Tal qual seu passo em minha vista. 

Menos da metade da história agora é pó. Não branco e dolorido. 

Sebo da verdade em sua dó. Arranco o pé do temido, na mão. Contra o que você mostrar, onde sem se conformar é fato. De quatro acaba.

Acabou. 

impares dos pares

Posted in em destaque on julho 17, 2017 by felipert

Tá frio. Tô com dor de estômago,
A dúvida inerente tem aspecto hostil
Falha corretamente em seu plano juvenil

Mesa com 2 lugares,
Os ímpares dos pares
Rejuvenescem a partir das maos

Impenetráveis sonhos,
A vazão do meu disfarce
Corre por cortes medonhos

Ahh, a incerteza desse dia
Procurando dicas pra preencher
Um prazo curto de energia

Soprou o grão pra dentro do olho
É com pesar que informo
Me sinto tão inferior que deterioro